PARTILHA DE DOCUMENTOS

Documents

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

PARTILHA DE BOAS PRÁTICAS - DIRECTORES DE TURMA

.Manual - Gui

PARTILHA DE BOAS PRÁTICAS - OBJECTIVAR O CÓDIGO DE ÉTICA DOS ALUNOS

codigo_de_etica_do_corpo_discente_revisto[1] http://d1.scribdassets.com/ScribdViewer.swf" style="outline:none;" > http://d1.scribdassets.com/ScribdViewer.swf">

Fernando Savater escreve sobre violência nas escolas e crise de autoridade familiar




Fiquem com estas frases soltas do filósofo espanho Fernando Savater sobre a relação entre violência na escola e crise da autoridade familiar:


As crianças não encontram em casa a figura de autoridade, que é um elemento fundamental para o seu crescimento


As famílias não são o que eram antes e hoje o único meio com que muitas crianças contactam é a televisão, que está sempre em casa.


Os pais continuam a não querer assumir qualquer autoridade, preferindo que o pouco tempo que passam com os filhos seja alegre e sem conflitos e empurrando o papel de disciplinador quase exclusivamente para os professores.



São os próprios pais e mães que não exerceram essa autoridade sobre os filhos que tentam exercê-la sobre os professores, confrontando-os.



O abandono da sua responsabilidade retira aos pais a possibilidade de protestar e exigir depois. Quem não começa por tentar defender a harmonia no seu ambiente, não tem razão para depois se ir queixar.





Há professores que são vítimas nas mãos dos alunos.




A boa educação é cara, mas a má educação é muito mais cara.



Em algum momento das suas vidas, as crianças vão confrontar-se com a disciplina.



As crianças deixaram de ver os adultos como fontes de experiência e de ensinamento para os passarem a ver como uma fonte de incómodo. Isso leva-os à rebeldia.

Estas palavras de Savater convidam-nos à reflexão. E a reflexão que eu proponho é sobre os efeitos nefastos de um estatuto do aluno permissivo e desresponsabilizador. Um estatuto que tem como único objectivo manter os alunos na escola, dificultando a acção disciplinadora dos professores.

Quantos pais, chamados à escola, se colocam do lado dos infractores? E quantos acusam os professores, na presença dos filhos?